Os Dez Mandamentos: Mar Vermelho se abre na terça-feira (10) trazendo algumas mortes

Depois de ter mudado algumas vezes a data em que seria exibida a sequência em que Moisés (Guilherme Winter) abre o Mar Vermelho para dar passagem ao povo hebreu, parece que a Record finalmente se decidiu e fixou o momento épico de sua teledramaturgia como sendo na próxima terça-feira (10).

O resumo semanal dos capítulos disponibilizado pela emissora traz um trecho da cena descrito. “Moisés ergue o cajado em direção ao Mar Vermelho. O vento começa a soprar cada vez mais forte. O mar começa a se abrir. As águas se levantam formando um muro de cada lado. O povo assiste ao fenômeno boquiaberto. Ramsés se impressiona com o que vê”, diz o script.

A mando do faraó, os soldados irão atrás dos hebreus e serão surpreendidos com o fechamento do Mar Vermelho. Bakenmut (Kiko Pissolato), Ikeni (Vitor Pecoraro) e Jahi (Rocco Pitanga) morrem afogados, para o desespero de Karoma (Roberta Santiago), que temia o triste fim do marido nessa batalha.

Outra baixa durante a sequência será a de Paser (Giuseppe Oristanio), no palácio. Enquanto discute com a filha Nefertari (Camila Rodrigues) por sua sede de vingança, o sacerdote passará mal e acabará falecendo, deixando a rainha ainda mais deprimida.

Acompanhe mais da semana de Os Dez Mandamentos no resumo abaixo:


Capítulo 166 (segunda-feira 09/11)

Ramsés tenta mudar o pensamento de Nefertari, mas é provocado por ela e acaba concordando com a ideia de matar Moisés. Um oficial avisa o rei que Jahi retornou ao Egito. Jahi se espanta ao saber por Ramsés que Radina fugiu com os hebreus. Meketre confirma para Ahmós que realmente é pai biológico de Bak. Bakenmut e Jahi aprovam a decisão de Ramsés reunir o exército para ir atrás dos escravos. Paser fica surpreso com o desejo de vingança revelado por Nefertari. Bakenmut pede que Ikeni reúna os oficiais para uma conversa com Ramsés. Paser se entristece com a determinação de Nefertari exterminar o povo hebreu. Tais ganha uma flor de Bak e se emociona ao ver o menino sofrer com a falta da mãe. Hori e Meryt ficam enciumados ao verem os dois abraçados. Tais diz que todos eles formam uma só família e as crianças se abraçam. Ramsés passa as instruções para os oficiais e pede agilidade para que a comitiva parta para o deserto o quanto antes. Paser e Ikeni ficam preocupados com a vida dos hebreus. Bakenmut informa Ramsés que os espiões saíram para localizar os escravos. Paser diz para Ramsés que Deus já mostrou do que é capaz e alerta ser perigoso afrontar os hebreus. Abigail conta que Safira precisa manter a fé para que consiga engravidar. Moisés aconselha Arão a terem atenção com saqueadores e povos hostis que possam se aproximar. Sozinho, o libertador pensa em Zípora e nos filhos. Miriã vê o sorriso do irmão e assume estar ansiosa para conhecer Zípora. Eliseba e Arão ficam preocupados ao verem Oseias aproximando-se de Ana. Judite pede que o rapaz mantenha distância da filha para que não irrite Apuki. Apuki confessa para Jairo que se arrependeu de deixar o Egito. Karoma sofre ao saber que Ikeni terá que perseguir os hebreus. Alguns dias se passam e Ramsés comunica que o exército irá partir. Karoma e Ikeni choram na despedida de Ikeni. Preocupado, Paser encontra o oficial e lamenta que ele tenha que partir. Ramsés discursa encorajando o exército e segue acompanhado dos oficiais para o deserto. Paser ora para que Deus proteja a vida de Simut. Nefertari se anima com a partida de Ramsés para encontrar Moisés. Karoma conforta Pepy dizendo que Ikeni não morrerá. Ramsés e o exército avançam ameaçadoramente pelo deserto.

Capítulo 167 (terça-feira 10/11)

Nadabe e Abiú se desesperam ao notarem o exército de Ramsés se aproximar. Nefertari se mostra determinada com o desejo de vingança. Os hebreus se apavoram com a aproximação dos soldados egípcios. Paser discute com Nefertari e passa mal. A rainha se assusta ao ver o pai desmaiado. Safira, Judite e Bina imploram pela proteção de Deus. Datã, Corá e Abirão reclamam da situação e culpam Moisés. Com Paser nos braços, Nefertari grita por socorro. Moisés tenta incentivar o povo a acreditar no poder divino. Karoma e Nefertari tentam socorrer Paser. Afastado dos outros hebreus, Moisés conversa com Deus. O Senhor ordena que o povo continue marchando. Ramsés avista o acampamento dos escravos. Bak fica tenso ao descobrir que o faraó está perseguindo o povo hebreu. Karoma busca ajuda para Paser. Bak pede que Meketre diga a verdade sempre. Nefertari fica aflita com o estado de Paser. Bak ora para Deus e a família de Meketre estranha a atitude do menino. O pânico toma o acampamento dos hebreus. De repente, de forma inesperada surge uma figura angelical no céu que se funde à coluna de nuvem. Joquebede e Miriã se emocionam com a visão do anjo. O povo fica maravilhado com o que vê. Forma-se uma nuvem de fogo e o tempo escurece. Ramsés avança com seu exército quando a coluna de nuvem e fogo surge como um ciclone avançando em direção aos egípcios. Uma bola de fogo cai sobre o carro de Ramsés. Soldados se apavoram. Cavaleiros caem de seus cavalos. Ramsés fica irado diante da coluna que lhe barra o caminho. Nefertari chora desesperada com o estado de saúde de Paser. Moisés tem novo encontro com Deus. Começa uma forte ventania. Bak explica sobre  o poder de Deus para sua nova família. Paser abre os olhos lentamente e pede para chamarem Nefertari. A rainha chora ao se recordar de momentos ao lado de seu pai. Karoma chega e avisa que o sumo sacerdote deseja vê-la. Karoma diz acreditar na recuperação de Paser. Nefertari e ele conversam francamente. A rainha diz que não pode perder o pai. Egípcios ofendem Bak e Hori e Meryt protegem o irmão. Meketre intervém e ameaça os rapazes. Pepy conversa com Karoma e pergunta pelo pai. Tais e Meketre falam com alguns egípcios e chegam a conclusão que a culpa é do rei. Nas últimas, Paser conversa com Nefertari. A rainha se desespera ao notar que seu pai está morto. Moisés ergue o cajado em direção ao Mar Vermelho. O vento começa a soprar cada vez mais forte. O mar começa a se abrir. As águas se levantam formando um muro de cada lado. O povo assiste ao fenômeno boquiaberto. Ramsés se impressiona com o que vê. Karoma tenta amparar Nefertari. Do alto de um rochedo, Moisés grita mandando o povo marchar para a fenda aberta no meio do mar. Desesperado, Ramsés manda os soldados avançarem, mas são impedidos pela coluna de nuvem e fogo. Os hebreus seguem caminhando pela abertura do Mar vermelho. Ramsés ordena que seu exército avance em direção à abertura no mar. Os últimos hebreus terminam de passar pelo solo seco. Os egípcios começam a passar entre as paredes de água com seus carros e cavalos. Moisés é o último hebreu a atravessar. Os soldados egípcios seguem na perseguição em meio às paredes de água. Moisés, com seu povo atrás, observa a abertura, o mar ainda aberto.

Capítulo 168 (quarta-feira 11/11)

Moisés ouve a instrução de Deus e estende a mão sobre o mar, fazendo as paredes de água se desfazerem.  Bakenmut, Ikeni e Jahi morrem afogados. Derrotado, Ramsés chora com ódio de Moisés. Karoma consola Nefertari, que sofre com a morte de Paser. Tutmósis inicia a cerimônia de embalsamamento de Paser. Agradecidos pelo livramento, Moisés e o povo começam a louvar a Deus. Joquebede e Miriã ficam admiradas ao verem Moisés concentrado escrevendo o livro. Arão diz que os hebreus estão livres da opressão do Egito, mas tem a sensação de que a jornada está apenas começando. Simut, Radina, Chibale e Gahiji lamentam que Ikeni e Jahi tenham morrido tragicamente. Nefertari lê um papiro que ganhou de Paser e chora. Karoma diz para Pepy que Ikeni em breve estará de volta. Hur e Leila sofrem com saudades de Uri. Ahmós se impressiona ao ver Ramsés retornando da batalha sozinho e arruinado. Meketre se surpreende ao saber que Ramsés voltou derrotado. Ramsés avisa Nefertari que perdeu a guerra e todos os soldados morreram, deixando-a espantada. Bak estranha ao se vestir como egípcio. Ramsés se sensibiliza com a tristeza de Nefertari pela morte de Paser. Karoma descobre que Ikeni morreu e se desespera. Apuki reclama com Moisés da falta de água. Karoma hesita em contar para Pepy que Ikeni não está mais vivo. Os hebreus caminham exaustos pelo deserto até que Moisés avista um oásis. Corá, Apuki e Jairo são os primeiros a chegar até o lago, experimentam a água e reclamam do gosto e começam a cobrar Moisés. Arão diz que Deus não os tirou do Egito para morrerem de sede no deserto e pede para terem fé. Karoma decide deixar o palácio e se despede de Nefertari. Diante do lago de água inapropriada de se beber, Moisés pede ajuda ao Senhor.

Capítulo 169 (quinta-feira 12/11)

Um vento forte sopra sobre Moisés e Deus pede para que Moisés pegue um galho de uma árvore próxima e atire sobre a água do lago. Moisés atende às ordens do Senhor e a água fica limpa e potável. Todos se fartam com a água, inclusive Corá, Jairo e Apuki. Moisés diz para Arão que precisa da atenção do povo. O irmão atende de imediato e diz que o libertador tem algo a dizer. Moisés diz que se todos ouvirem atentos aos ensinamentos do Senhor, nenhuma enfermidade virá sobre eles. Todos se emocionam com as palavras. Dois meses se passam e os hebreus seguem caminhando pelo deserto. A coluna para sobre um determinado ponto e Moisés diz ao povo que devem montar acampamento naquele local. Arão percebe que Apuki dá ordens nos hebreus e diz que ele precisa trabalhar também, caso contrário não terá onde dormir. As mulheres ajudam os maridos a construir as tendas, todos felizes. Aoliabe e Bezalel vão ajudar Gahiji, Chibale e Simut que não conseguem montar suas barracas. Moisés e Oséias observam o acampamento sendo montado felizes. Os hebreus reclamam de fome e deixam Moisés preocupado. O libertador fala mais uma vez com o Senhor que diz que irá prover pão e aves ao povo. Codornizes aparecem e deixam os hebreus satisfeitos por mais esse milagre. Ana diz a Oseias que Apuki não quer que eles fiquem juntos e o hebreu pede calma a amada, que é apenas uma questão de tempo. Apuki vê Ana conversando com Oseias e vai tirar satisfação. Gahiji ajuda as mulheres a preparar as codornas. Simut, Gahiji, Chibale e Leila se lembram dos momentos que passaram no Egito e se emocionam. Moisés diz a Joquebede que sente pelos hebreus que ainda não acreditam no poder de Deus. A mãe do libertador consola o filho e diz para ter paciência. Amanhece no deserto e ao acordar, os hebreus ficam maravilhados com mais um milagre.

 

Capítulo 170 (sexta-feira 13/11)

Os hebreus comem o pão que Deus fez cair do céu. Apuki reclama do alimento oferecido pelo Senhor. Simut se mostra impressionado com o milagre. Moisés avisa que Deus dará porções diárias de alimento. O libertador alerta que os hebreus não precisam reservar comida para o dia seguinte. Bina desobedece e sai para garantir mais pão. Safira não gosta da atitude da irmã. Gahiji, Simut, Radina e Chibale pegam somente o necessário. Eliseba agradece a Deus. Joquebede diz que pode ajudar Gahiji a cozinhar. A noite cai e Miriã canta lindamente. Moisés se enche de felicidade ao ver a alegria de seu povo. Simut, Gahiji e Chibale dançam com Zelofeade. Ana e Oseias trocam olhares apaixonados.  Safira chama Datã, Bina e Corá para dançar. Deborah e Bezalel tentam animar Leila. Arão se declara para Eliseba. Rabugento, Apuki se recusa a se divertir com os outros. Ana e Oseias se encontram às escondidas. Judite fica aborrecida ao encontrar o casal afastado. O dia amanhece e um forte grito é ouvido na tenda de Corá. Bina se assusta ao ver o pão tomado por vermes. Safira alerta a irmã e diz que faltou fé. Bina se sente envergonhada. Os hebreus se fartam com o maná oferecido por Deus. Moisés continua escrevendo o Livro de Êxodos. O povo é guiado pela coluna de nuvem no céu. Os amalequitas Amir e Zuri contam ao rei Amaleque sobre a presença dos hebreus no deserto. O líder amalequita diz que atacará o povo de Moisés em breve. O libertador e Arão caminham na frente, com seus cajados, conduzindo o povo. Grávida de quatro meses, Abigail caminha ao lado de Zelofeade. A coluna de nuvem para e Moisés avisa que ali é local para acamparem. Corá e Datã questionam Moisés sobre seus destinos. Bina e Apuki reclamam da falta d’água. Moisés lança um olhar para Arão e se afasta. O profeta hebreu tem novo encontro com Deus. Arão se despede de Eliseba e se prepara para buscar água em algum lugar. Hur e Zelofeade também se despedem dos familiares. Datã e Corá se preparam para partir. Arão e Moisés seguem com o grupo. Joquebede tenta fortalecer a fé das outras mulheres. Judite conversa com Ana e se queixa das reclamações de Apuki. Nadabe, Abiú, Calebe e Itamar encontram com outras moças no deserto. Moisés avista o monte Horebe. Zuri e Amir avistam o grupo de hebreus. Fortemente armados, os amalequitas seguem em direção ao acampamento. Deborah avisa a Bezalel que Abigail está passando mal. O grupo de hebreus liderado por Moises se aproxima do monte Horebe. Gahiji, Simut e Radina tentam ajudar as pessoas no acampamento.  Moisés fala com Deus e, milagrosamente, sai água da rocha. Os soldados amalequitas chegam ao acampamento. Apuki tenta proteger Ana. Amir ordena que os soldados levem tudo. Moisés e os outros hebreus se impressionam com mais um milagre de Deus.  Nadabe, Abiú, Calebe e Itamar retornam para o acampamento e se deparam com os soldados inimigos. Apuki diz para levarem o que quiserem, mas pede para não tocarem em Ana e Judite. Nadabe e os outros acham as armas guardadas na tenda de Moisés. Eliseba estranha a movimentação. Amalequitas tocam o terror no local. Eliseba é atingida pela espada de um oficial. Nadabe, Abiú e Itamar avistam a cena de longe e se desesperam. Joquebede e Miriã correm para tentar salvar a mulher de Arão.