TV brasileira dedica 34 horas à cobertura dos atentados na França

Um levantamento do Controle da Concorrência, que monitora inserções comerciais, apontou que nos últimos quatro dias (13, 14, 15 e 16 de novembro) a TV brasileira dedicou 33h58min de sua programação à cobertura dos atentados terroristas na França. Os dados foram divulgados por Keila Jimenez, do R7.

A Globo foi a emissora que mais dedicou tempo ao assunto. Com quatro repórteres em Paris desde o final de semana (Pedro Vedova, Roberto Kovalick, Ilze Scamparini e José Roberto Burnier), teve um total de 12h42min dedicadas ao ataque do Estado Islâmico.

Desse total, 2h12min foram links do programa de variedades matinal de sábado, É de Casa. Do Jornal Nacional, 1h57min e do Fantástico, 1h27 minutos.

A Record, apesar de ter somente um correspondente na Europa (André Tal), tratou do tema por 9h10min. O Jornal da Record foi o jornalístico que mais cedeu espaço, com cerca de 2h20min, sendo seguido por Fala Brasil, com 2h05min e pelo Cidade Alerta, com 1h56 minutos.

Na Band, os atentados tomaram conta de 6h53min da programação. 1h52min foi do Canal Livre, 1h30min do Brasil Urgente e 1h14min do Jornal da Band. A emissora do Morumbi tem três repórteres em Paris: Sônia Blota, Felipe Kieling e Sérgio Gabriel.

A Rede TV, com o correspondente em Paris Marcos Clementino, teve 1h14 de cobertura da tragédia na França, em que mais de 120 pessoas morreram. A cobertura tomou 1h35min do Rede TV News e 1h06 do Melhor Pra Você.

Já o SBT, como é de se esperar, foi a emissora que menos cobriu os atentados. Com um jornalismo sem investimento e fraco – em que se vê telejornal de meia-noite ser reprisado três vezes pela manhã – a emissora de Silvio Santos dedicou apenas 1h44min de sua programação ao assunto de relevância global. Desses bolo, 52 minutos foram de reportagens do Jornal do SBT.

O canal tem atualmente dois correspondentes em Paris: Élcio Ramalho e Sérgio Utsch, que estava na Turquia, mas foi realocado.